“O meu mandamento é este: amem uns aos outros como eu amo vocês. ”

João 15:12

Cor Litúrgica : roxo

FELIZ QUEM AMA O SENHOR


*De datação incerta, provavelmente escrita antes de 1221, a Carta aos fiéis, que tomamos como referência ao primeiro capítulo da primeira redação, é uma calorosa exortação a seguir o caminho da conversão evangélica. É uma ulterior demonstração da perspectiva universal de Francisco: O mundo era deveras o seu “claustro”! Dizia, de fato, aos seus Frades:
“Deus misericordioso não nos chamou só para nós mesmos, mas também para a utilidade e a salvação de muitos. Vamos pois pelo mundo, exortando e ensinando homens e mulheres com a palavra e o exemplo, afim de que façam penitência pelos seus pecados e se recordem dos mandamentos do Senhor”. (Anônimo Perusino, 18)
**O convite à penitência é imediata iluminado pela feliz condição de uma vida conforme às “odoríferas palavras” do Senhor. O texto inicia com a proclamação da bem aventurança para aqueles que amam o Senhor e o próximo, odeiam os vícios e pecados, recebem o Corpo de Cristo e fazem dignos frutos de penitência. São felizes porque “o espírito do Senhor fará neles a sua morada; são filhos do Pai celestial; esposos, irmãos e mães do Senhor nosso Jesus Cristo”. Conclui-se com a comovente constatação de que é coisa grande ter nos céus um Pai, é belo ter um tal Esposo, é amável ter um tal irmão e um tal filho, o Senhor nosso Jesus Cristo.
Em nome do Senhor! Quão felizes e benditos são aqueles e aquelas que amam o Senhor de todo o coração, com toda a alma, com toda a mente e com todas as forças e ao próximo como a si mesmos, odiando seus corpos com seus vícios e pecados, recebendo o corpo e o sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo e produzindo frutos dignos de penitência. Felizes e benditos os que assim fazem e assim perseveram, porque sobre eles repousam o Espírito do Senhor que neles fará morada. Estes são os filhos do Pai celeste, fazem as obras do Pai, são esposos, irmãos e mães de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Somos esposos, quando por virtude do Espírito Santo, a alma fiel se une a Nosso Senhor Jesus Cristo. Somos Irmãos de Cristo, quando fazemos a vontade do pai que está nos céus; e somos suas Mães, quando o levamos em nosso coração e em nosso corpo por virtude do amor divino e de uma pura e sincera consciência; e o damos à luz pelas santas obras, que devem brilhar como exemplo para os outros.
Oh como é glorioso ter no céu um Pai santo e grande! Oh! Como é santo, consolador, belo, admirável ter um tal esposo! Oh! Como é santo e amável ter um tal irmão e um tal filho, agradável, humilde, pacífico, doce: Nosso Senhor Jesus Cristo, que deu a vida pelas suas ovelhas e orou ao Pai dizendo:
Pai Santo, guarda em teu nome, aqueles que me deste no mundo; eram teus e tu mos deste. As palavras que me deste, dei-as a eles; eles as aceitaram e creram na verdade, porque de ti saí e conheceram que tu me enviaste. Rogo por eles não pelo mundo. Abençoa-os e santifica-os. Também eu por causa deles me santifico a mim mesmo. Não rogo só por eles, mas também por aqueles que hã de crer em mim pela palavra deles para que sejam santificados na união assim como nós. E quero, Pai, que onde eu estiver, estejam eles comigo, para que vejam a minha glória no teu reino. Amém
BENÇÃO
O Senhor te abençoe e te guarde; te mostre a sua face e tenha misericórdia de ti. Volte para ti o seu olhar e te dê a paz! (Benção a Frei Leão, FF 106)