“O meu mandamento é este: amem uns aos outros como eu amo vocês. ”

João 15:12

Cor Litúrgica : roxo

Mártir japonês da Terceira Ordem (1578-1597). Foi canonizado por Pio IX em 8 de junho de 1862.
Gabriel, jovem criado do governador de Meaco veio de uma nobre e antiga família japonesa. Gentil no trato e no caráter, sua personalidade agradou a muitos.
Era amigo dos franciscanos de Meaco, sempre conversava com eles quando vinha à corte do governador. Iluminado pela graça de Deus, pediu o batismo e decidiu tornar-se franciscano da Ordem Terceira. Quis consagrar sua vida para o bem dos irmãos e foi acolhido no convento para iniciar os estudos e preparar-se para a vida franciscana e o sacerdócio.
Muitos amigos, instigados pelos budistas iam ao convento para persuadi-lo a voltar para casa. Seus pais também ficaram irritadíssimos com a sua decisão e quiseram trazê-lo à força para a casa. Gabriel, ajoelhado aos seus pés, implorou que o deixassem em paz. Eles foram exortados por ele a abraçar a religião católica. Sua mãe lhe dizia: “Filho, não compreendo o seu erro. Que pode conseguir, com esses estrangeiros tão pobres que para sobreviverem devem pedir esmolas?” Gabriel contestou: “Mãe, sigo esses pobres, porque eles seguem a Jesus Cristo. Eles têm indicado o caminho verdadeiro aos filhos das trevas. Eu desejo seguir o caminho deles para alcançar os bens eternos e peço-lhe, me deixe em paz; não poderás me convencer nem com promessas, nem com ameaças e nem mesmo com a morte!”
Essas palavras comoveram muito a seus pais, que o abraçaram ternamente. Gabriel ficou três anos no convento de Meaco. Com a idade de dezenove anos sua fronte foi coroada com a auréola dos mártires, na colina de Nagasaki, em 5 de fevereiro de 1597.